Sejam bem vindos !!!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

A magia da canela

       Cinnamon with a red ribbon, isolated white background sucks Stock Photo - 9495161




A canela é uma erva maravilhosa para amor, dinheiro e sucesso. 

Faça um saquinho verde ou dourado e encha com canela e use como um amuleto de cura, dinheiro e sucesso.

Pode  fazer também um saquinho roxo cheio de canela para ser usado para aumentar suas forças mágicas e ou poderes psíquicos. 

Também pode confeccionar um saquinho rosa ou vermelho cheio de canela para atrair o amor ou paixão.

Outra opção é fazer um saquinho branco cheio de canela para aumentar sua espiritualidade e conferir proteção.

sábado, 13 de outubro de 2012

FELIZ DIA DA CRIANÇA CIGANA NA UNIÃO EUROPÉIA



A União Europeia ganha o Prêmio Nobel da Paz 2012
X
Nove em cada dez ciganos abaixo do limiar da pobreza Conclusão é de um estudo da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia


Nove em cada dez ciganos a residir em onze países da União Europeia vivem abaixo do limiar da pobreza e metade diz ter sido vítima de discriminação. 

A conclusão é de um inquérito europeu, que inclui dados sobre Portugal. 

O trabalho foi realizado pela Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA), que entrevistou mais de 22.200 pessoas ciganas e não ciganas a residir na Bulgária, Eslováquia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República Checa e Roménia.

No estudo, são consideradas não ciganas as pessoas «a residir na mesma área ou nos bairros mais próximos dos ciganos entrevistados». «Os resultados apresentam um quadro sombrio da situação dos ciganos que foram inquiridos», revela a FRA, que aponta que «a comparação com os não ciganos que vivem nas proximidades revela diferenças significativas quanto à sua situação econômica».

Os dados da FRA revelam que, «em média, cerca de 90 por cento dos ciganos entrevistados vivem em agregados familiares com um rendimento equivalente abaixo do limiar de pobreza nacional».

Em média, cerca de 40 por cento dos ciganos entrevistados vivem em agregados familiares onde alguém foi para a cama com fome pelo menos uma vez, no último mês, por não ter dinheiro para comprar comida, lê-se no documento.


De acordo com os resultados do inquérito, apenas um em cada três tem emprego remunerado e cerca de 45 por cento vive em habitações que não têm pelo menos uma das seguintes instalações básicas: cozinha, casa de banho, chuveiro ou banheira e eletricidade. 

Em matéria de educação, e especificamente em relação ao ensino superior, Portugal é o país que apresenta piores resultados, com uma média de menos um cigano em cada dez a completar o ensino superior.

Já em relação às crianças com idade igual ou superior a quatro anos que frequentam o pré-escolar, em Portugal o valor ronda os 55 por cento, contra mais de 90 por cento de crianças não ciganas. 

O inquérito revela também existir ainda uma percentagem (cerca de 2,5 por cento) de crianças ciganas em Portugal, com idades entre os sete e os 15 anos, que não vão à escola.

No que diz respeito ao emprego, o inquérito revelou «importantes discrepâncias entre os ciganos e os não ciganos em França, Itália e Portugal», onde apenas um em cada dez ciganos com idades entre os 20 e os 64 anos disse ter trabalho remunerado.

NOSSOS PARABÉNS A UNIÃO EUROPÉIA!

Cristiano Torres

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Ofícios tradicionais Ciganos


O que são e o que representam os ofícios tradicionais ciganos?

O significado da palavra tradição é utilizado para designar a transmissão de costumes e praticas, pela via oral ou por hábitos de valores que são passados de geração a geração. Por sua vez, a palavra ofício corresponde, no caso dos ciganos, não ao trabalho e ou profissão apenas; mas, principalmente quanto ao modo de vida.

Sim, os ofícios ciganos constituem “o modo de vida” que alguns grupos utilizam e ou utilizavam para sobreviver. E esses ofícios envolvem os procedimentos e processos racionais e práticos de manufaturar a matéria prima de tal forma que o produto final possa satisfazer as necessidades humanas.

Os ofícios tradicionais são tão importantes que muitos grupos se autodenominam com o nome da profissão. Exemplo, os Calderash (caldeireiro).

Mas os ofícios tradicionais basicamente podem ser divididos em três categorias: artesanato, comércio e entretenimento.

Assim podemos relacionais os seguintes ofícios:

Artesanato

Calderash - a palavra vem da língua Romena e significa caldeireiro, aquele que faz artesanalmente potes, tachos, panelas e outros utensílios domésticos feitos de alumínio e cobre.

Kovatsa - a palavra vem da língua Húngara e significa ferreiro, aquele que faz artesanalmente ferraduras, rodas, panelas e outros utensílios domésticos feitos de ferro.

Aurari – a palavra vem da língua Romena e significa ourives, aquele que faz artesanalmente anéis, alianças e outras joias, feitas de ouro, prata e cobre.

Lingurari – a palavra vem da língua Romena e significa colher, aquele que faz artesanalmente colheres entalhadas da madeira.

Tsurara – a palavra vem de línguas eslavas e significa peneira, aquele que faz artesanalmente peneiras.

Sepecides –a palavra vem da língua Romena e significa cesto, aquele que faz artesanalmente cestos de palha, junco e vime.

Balanara ou Balajara – a palavra vem de línguas eslavas e significa cocho, aquele que faz artesanalmente recipiente de madeira onde se dá alimentos aos animais.

Bugurdzje – a palavra vem de línguas eslavas e significa broca, aquele que faz artesanalmente brocas de ferro endurecido para madeira.


Comércio 

Lovara – a palavra vem da língua húngara e significa “cuida de cavalo”, aquele que cria e vende cavalos.


Entretenimento

Bashavno ou bahsmaskro -palavra da língua Romani que significa, músico, aquele que se apresenta publicamente cantando ou tocando algum instrumento. 

Lautari – a palavra vem da língua romena e significa violinista, aquele que vive de tocar o violino.

Ursari – a palavra vem da língua romena e “ursar” significa, cigano, mas neste caso é o cigano que adestra o urso e realiza apresentações públicas.


Fonte:http://www.embaixadacigana.com.br


sábado, 30 de junho de 2012

A Cultura Cigana




Gypsies, gitanos, zíngaros, ciganas pessoas Rom, juntamente com os Sintos e os Calon ou Calé são designados vulgarmente por "Ciganos". São pessoas tradicionalmente nômadas, originárias do norte da Índia e que hoje vivem espalhadas pelo mundo, especialmente na Europa, sendo sempre uma minoria étnica nos países onde vivem.

A maioria dos Roms fala alguma forma do idioma romanês, língua muito próxima das modernas línguas indo-europeias do norte da Índia e do Paquistão. A moderna antropologia relacionou a língua romani com as línguas punjabi e potohari, faladas no norte do Paquistão.

Os Rom são muitas vezes tidos como possuidores de poderes psíquicos (há mesmo o estereótipo do "cigano que prevê o futuro"), e a invenção do tarô é-lhes por vezes creditada.




As Caravanas - Acampamento em Arles, França, pelo pintor Vincent van Gogh.

Maiores concentrações de ciganos no Mundo:

Alemanha : 100.000
Albânia: 70.000
Argentina: 317.000
Bósnia 17.000
Brasil: 678.000
Bulgária: 700.000 - 800.000
Croácia: 9.463
Espanha : 600.000–800.000
Finlândia: 10.000
Grécia: 300.000-350.000
Hungria: 190.046 (2001 censos)
Irão: 110.000
Macedônia: 53.879
Montenegro: 2.601
Polónia: 15.000–50.000
Portugal: 40.000
Reino Unido: 40.000
República Checa: 120,000 - 220,000
Roménia: 535.140 (2002 censos), outros censos calculam entre 1.500.000 - 2.000.000
Rússia: 183.000
Sérvia: 108.193
Eslováquia: 92.500
Turquia : não oficial 500.000 - 2 milhões de pessoas.
Ucrânia: 48.000


Segundo Carlos Fontes, são originários da Índia, os primeiros ciganos terão começado a entrar na Europa por volta do século XII. As primeiras notícias da sua presença em Portugal datam da segunda metade do século XV. 

                                            
   
Algumas dezenas de anos depois de se instalarem em Portugal, já os ciganos estavam identificados com a imagem negativa que irá perdurar até aos nossos dias e que continuamente será evocada para os reprimir ou expulsar. A comunidade cigana resistiu a tudo e aqui permaneceu.

Hoje enfrenta um novo e decisivo desafio: a integração imposta em nome do progresso e dos direitos humanos.


Gil Vicente, dedicou-lhes uma peça de teatro - Farsa de Ciganos - representada em Évora, em 1521 ou 1525. Nesta altura, os ciganos são já identificados como comunidade de gente nômade que se dedica a roubar num sítio aquilo que vão vender no outro. 

Dominam o comércio das cavalgaduras, em especial aquelas que se encontram doentes fazendo-as passar por animais de boa saúde. Celebrizaram-se também por se dedicaram às práticas de feitiçaria, quiromancia e cartomancia.

Percorrem o país em bandos (quadrilhas) a que se juntam não raro, outros foragidos às malhas da Lei.


Evocando tudo isto, D. João III, pelo Alvará de 13 de Março de 1526, proibiu-os de entraram em Portugal, ordenando a expulsão de todos os que aqui viviam. Ao longo dos séculos são inúmeras as leis promulgadas com idêntica finalidade. Sempre mais severas, mas sempre inúteis. Uma das últimas, foi a de D. João V, em 10 de Dezembro de 1718.

A partir do século XIX, o Estado deixou de colocar a questão da expulsão dos ciganos, passando a considerá-los cidadãos portugueses, embora soubesse que estes se auto-excluem de prestar qualquer serviço à comunidade, nem se manifestam dispostos a aceitarem as suas leis.

Nas últimas décadas, o modo de vida dos ciganos pouco se alterou, enquanto Portugal permaneceu um país essencialmente rural. Os ciganos continuaram a ser nômades, dedicando-se ao comércio ambulante.


O abandono dos campos e a concentração da população portuguesa nas cidades, acabou por forçar os ciganos a sedentarizarem-se, tendo a maioria deles fixando-se nas períferias das cidades, onde continuaram a dedicaram-se à venda ambulante, nomeadamente de produtos contrafeitos.

As tradicionais tendas foram substituídas por bairros de barracas. As carroças puxadas mulas foram substituídas por carrinhas.

Apesar de tudo, os ciganos continuaram a resistir a todo e qualquer processo de integração. As crianças, sobretudo as raparigas, continuaram a não frequentar as escolas. A escola continua a ser vista como uma ameaça à própria sobrevivência das tradições e unidade da comunidade cigana.

Nos anos oitenta do século XX, um crescente número de ciganos envolvem-se no comércio de droga. Famílias e famílias de ciganos e não ciganos são destruídas por este negócio que marcará esta comunidade. Este comércio acaba por reacender por todo o país as manifestações racistas tendo como alvo os ciganos.

Face ao eclodir de "milícias populares" para lincharem estas comunidades ciganas, em 1991, o governo português lança finalmente um vasto programa de apoio à sua integração social.

O realojamento destas comunidades em bairros construídos para o efeito, está longe de ter contribuído para a sua efetiva integração. Frequentemente, como acorre em Lisboa, os bairros habitados por ciganos estão transformados em locais de grande violência, assistindo-se à sua rápida degradação. 

Muitos destes bairros tornaram-se em verdadeiras bases de apoio para a atuação de bandos de criminosos. Fato que contribui para afastar os restantes moradores não-ciganos, ou para a não instalação das mais diversas atividades econômicas nestes bairros, potenciando desta forma a emergência de verdadeiros guetos urbanos.

A instituição, em 1996, do "rendimento mínimo garantido", foi uma das medidas governamentais de maior alcance, pois permitiu que muitas crianças ciganas passassem a frequentar as escolas, uma exigência para a atribuição do subsídio às famílias. A verdade, é que pouco depois também se constatou que os resultados da sua escolarização continuavam a ser muito modestos, dado a elevada taxa de abandono escolar logo após a atribuição do subsídio.

Existem em Portugal cerca de 30 a 50 mil ciganos. O seu número varia bastante conforme as fontes. Num Inquérito feito em 2001, junto das Câmaras Municipais e de outras entidades pela SOSRacismo foi apenas apurado um total 21 831 indivíduos de etnia cigana. Segundo este estudo as comunidades ciganas estão sobretudo concentradas no litoral e nas zonas fronteiriças (Lisboa, distritos de Viana do Castelo, Castelo Branco, Coimbra e Évora).

Em Mirandela, há vários modos de vida para os ciganos. Alguns vivem em acampamentos, sobretudo em Estanca-Rios, enquanto outros residem em bairros sociais, em apartamentos e até em vivendas com boas condições de habitabilidade. 

O seu modo de vida está sobretudo direcionado para a venda ambulante nas várias feiras do distrito de Bragança. Contudo, outros dedicam-se à mendicidade ou estão dependentes de prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção. A Câmara Municipal de Mirandela tem recebido inúmeros ciganos em Programas Ocupacionais do IEFP, sobretudo na área da jardinagem.

O Abade de Baçal nas suas «Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança» dedica um texto aos ciganos no distrito de Bragança . 

Segundo ele, aparecem pela primeira vez na Alemanha em 1417 donde se espalharam pelo resto da Europa. 


E quanto aos costumes, segundo os descrevem os escritores do tempo, eram os mesmos de hoje, isto é, vaguear de terra em terra, roubar quanto podiam, ler a buena dicha, pouca religião, vestidos imundos, rosto trigueiro amarelado, cabelos pretos. A buena dicha juntaram práticas supersticiosas de feitiçaria para melhor armar os efeitos rapinantes.

Mais acrescenta que na legislação portuguesa se encontram diversos artigos referentes aos ciganos que mostram a importância numérica deste grupo étnico. O mais antigo que se conhece é o alvará de 13 de Março de 1526 que manda que não sejam admitidos no reino e que sejam expulsos os existentes.

Hélder Rodrigues, professor em Carrazeda de Ansiães, concluiu, num estudo por si realizado e publicado em livro com o título “Ciganos – Percursos de integração e de reivindicação da identidade”, que o atual modelo de ensino não é eficaz para as crianças da comunidade cigana local. 

A prová-lo está a taxa de sucesso escolar no final do primeiro ciclo, ao longo dos últimos cinco anos, que é de 1,46%. Só com uma escola aberta e voltada para o ensino profissional os ciganos terão “condições para integrar o mercado de trabalho”.

Hélder Rodrigues conclui que a comunidade cigana é “gente pacata que vive na miséria”.




sábado, 5 de maio de 2012

O anel cigano



Para os ciganos, os anéis sempre tiveram um significado especial.

É o símbolo do amor, da eternidade do casamento e um dos talismãs mais utilizados nas práticas mágicas.

Esse conhecimento e essa valorização do anel como peça importante de nossa cultura tem suas origens no Velho Egito, por onde passaram os ciganos há milhares de anos atrás.

No British Museum, da Inglaterra, há um anel de ouro, com um engaste liso e oval, onde consta a seguinte inscrição: "Maãt, a dourada dama de ouro das duas terras". Segundo estudos feitos, o anel foi feito entre 1000 e 1200 A.C., isto é, em torno de três mil anos.

O círculo sempre foi considerado um símbolo mágico, porque representa a vida, segundo os iniciados, já que não tem princípio nem tem fim, mas é uma constante renovação, algo em que os egípcios acreditavam piamente e no que investiram todo o seu conhecimento, chegando a um nível não mais alcançado por nenhum povo na preservação e mumificação dos corpos, para que um dia retornassem à vida.

Assim, nos amuletos e talismãs de origem cigana, anel, pulseiras e colares têm um significado especial porque representam o círculo e todo o conceito nele envolvido de eternidade, renovação e crença numa vida futura.

Mistura-se a lenda com a realidade hoje em dia, pois o conhecimento da preparação do famoso anel mágico dos ciganos foi, segundo uns, irremediavelmente perdido durante o período da Segunda Guerra Mundial.

Para outros magos ciganos, no entanto, alguns registros esparsos foram compilados, permitindo-se chegar de novo à velha fórmula do anel mágico, que tinha o poder de ser amuleto para expulsar qualquer malefício e talismã para realizar qualquer sonho ou desejo.

Para sua elaboração, era preciso que, de posse de todos os materiais, se esperasse a noite em que a Lua Nova ou a Lua Cheia subisse ao céu, alinhando-se com quatro estrelas, formando ela o centro de uma cruz.

Quando isso ocorresse, um punhado de terra e um punhado de vegetação eram apanhados, seguindo-se a linha que descia do pé da cruz até os pés do mago. Era feito um montinho no chão e sobre ele posto uma pedra preciosa da cor do signo da pessoa para quem era destinado o anel.

Ao redor espalhava-se gravetos e ateava-se fogo neles. Esperava-se até que eles se apagassem. A pedra era retirada e engastada no anel. Depois de pronto ele era lavado em água corrente e esfregado com pétalas de rosa branca, posto num estojo de madeira e entregue ao seu proprietário, que lhe daria o uso que desejasse.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Mulher ...Deusa


"Lembra, ó mulher, de quando dançava com pés descalços e guirlandas de flores nos cabelos?

Você representava a Deusa, o Sagrado Feminino, e de ti resplandecia toda a generosidade.

Recorda que conhecia bem os mistérios e te guiava por instintos e intuições, sonhava com as respostas e cheia de confiança em teu coração guiava a tua vida e de tantos outros por caminhos seguros.

Tua natureza é sempre disposta a dar vida e dela cuidar. Rosa dos ventos e dos tempos, hoje estás novamente aqui, mas não se esqueça jamais de continuar a cumprir o teu sagrado papel, pois o Universo ainda carece do teu feminino...

Ah! Então canta e dança que o destino dos homens se cumprirá!"

domingo, 4 de março de 2012

JESUS CIGANO! O PAI NOSSO... A Interpretação



Será inútil dizer "Pai Nosso", se não vejo as demais pessoas, animais e natureza, como criados pelo mesmo Deus.

Será inútil dizer "Que estais nos Céus", se não atuo com tolerância e bondade e respeito, vendo-O em todas as partes e pessoas, impedindo-lhes que tenham um ambiente de paz, tranqüilidade e conforto espiritual.

Será inútil dizer "Santificado seja o Vosso Nome", se pelos meus pensamentos e ações não santifico o meio em que vivo.

Será inútil dizer "Venha a nós o Teu Reino", se fecho o meu coração ao Amor, ao bem querer e não pratico a fraternidade e o amor ao próximo como o teu Filho nos ensina.

Será inútil dizer "Seja feita a Vossa vontade, aqui na Terra como nos Céus", se ainda procedo com ódio, rebeldia, com revolta, com intransigência e sem indulgência para com o meu próximo.

Será inútil dizer "O pão nosso de cada dia nos daí hoje", se não me alimento também do teu pão espiritual, se vivo para os bens materiais, para as futilidades o comodismo, desprezando os filhos teus que sofrem as vicissitudes da vida.

Será inútil dizer "Perdoai as nossas dívidas, na medida em que perdoamos aos nossos devedores", se continuo não perdoando, se não importo em cometer injustiças, magoar, ferir a qualquer um por menor que seja a ofensa.

Será inútil dizer "Não nos deixeis cair em tentação", se ainda não dou valor à recomendação de Jesus de “orai e vigiai” e à higiene da minha mente.

Será inútil dizer "Livrai-nos de todo o mal", se ainda prefiro trilhar a estrada larga dos vícios, da irresponsabilidade, da ira e do descontrole.

Será inútil dizer "Assim seja" se continuo negligente e sabendo como sou não vivencio uma firme decisão de melhorar.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Encantamento e Conjuro para Atrair o AMOR


1 maçã vermelha

1/2 metro de fita vermelha de cetim

1 rosa vermelha ( só as petalas)
mel
canela em pó
1 pires
1 vela vermelha de 7 dias

Ritual
Escreva seu pedido de amor no papel ( não coloque nomes)
Corte a maçã ao meio na horizontal, coloque o papel no centro e tampe com a outra metade da maçã.
Enrole a fita vermelha de modo que as duas partes da maçã fiquem unidas e coloque no pires.
Derrame o mel e polvilhe a canela em pó. Cubra com as pétalas de rosa.
Ao lado do encantamento, acenda a vela vermelha.
Consagre esse encantamento às Ciganas do Amor.

Conjuro
" Ciganas do Amor que conhecem todas estas terras, tragam para mim o amor verdadeiro do meu destino, para que eu possa ser feliz ao seu lado. Amém" !
 
Deixe o encantamento em casa até a maçã começar a murchar, só então leve para uma praça e a deposite lá, longe de espinhos.

Lachi bar! ( Boa Sorte!) 

Fitas ciganas




As fitas ciganas são muito usadas e bastante conhecidas por seus poderes milagrosos de desagregar energias condensadas, enfermiças, e até mesmo afastar energias negativas e transmutar outras.

Cada fita tem sua vibração: harmonizando, equilibrando, fortalecendo, curando, positivando, acalentando, limpando, purificando, gerando abundância, entre outras.

As fitas ciganas e suas atribuições: 

Fita branca
Função: promove a paz interior, tranquilidade, estabilidade emocional, acalma a alma.
Indicação: tira a ansiedade, a insônia, agitação e stresse.

Fita vermelha
Função: desperta a força de vontade, paixão, equilibrio nos relacionamentos. 
Indicação: depressões, traumas amorosos, sentimentos de solidão e pessoas sem prazeres. 

Fita azul-clara-
Função: serenidade, segurança, confiança, equilibrio emocional. 
Indicação: inseguranças, medos, pessimismo, pessoas que se sentem derrotadas. 

Fita amarela-
Função: prosperidade, concretização, equilibra a mente, idéias novas. 
Indicação: problemas financeiros, pessoas que não conseguem por em prática seus desejos. 


Fita dourada
Função: proteção divina, elevação da alma, harmonização espiritual, desenvolvimento da mediunidade. 

Indicação: tudo relacionado ao aperfeiçoamento do espírito. 

Fita verde
Função: cura e equilíbrio físico, vitalidade. 

Indicação: problemas de saúde, energias enfermiças. 

Fita laranja
Função: alegria, entusiasmo, restabelece a mente, corpo e espírito. 

Indicação: doenças somatizadas por traumas, tristezas. 

Fita rosa
Função: auto-estima, compreensão, compaixão, aceitação, amor universal. 

Indicação: sofrimentos emocionais, frustrações, luto. 

Fita violeta
Função: transmutação, ajuda a mudar conceitos, formas de pensamentos, cura em todos os gêneros.

Indicação: miasmas de pensamentos e sentimentos, perturbações mentais, dores no corpo, obsessões e traumas.

Fita marrom
Função: concretizadora, traz as pessoas para o presente, para realidade. 

Indicações: pessoas que vivem no passado, ou no presente sem entender, afasta espíritos sofredores. 

Fita azul royal
Função: proteção em todos os níveis ( físico, mental, emocional, espiritual) 

Indicação: corta os cordões energéticos negativos, afasta e encaminha os espíritos menos esclarecidos.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

OS 12 MANDAMENTOS CIGANOS


1º Amar a Deus acima de tudo e respeitar todos os Santos;

2º Respeitar a Semana Santa;

3º Respeitar todas as Religiões e credos que elevam o nome de Deus – Nosso Pai;

4º Ajudar-se mutuamente;

5º Amar e não desmerecer nenhuma criança;

6º Respeitar os idosos e não desprezar a sua sabedoria;

7º Não mostrar o corpo;

8º Não se prostituir;

9º Manter a fidelidade entre os casais;

10º Não se envergonhar de sua origem;


11º Não deixar de praticar o dom da adivinhação;

12º Não trair seu povo.